Como criar/cuidar de pintos e patos de dia

Aves nidífugas (em cima),
nidículas (em baixo)

Conteudos deste artigo:
● Introdução
● Antes de ter os animais
● Quando os animais são recebidos (Alimentação)
● Durante o crescimento

Introdução

 Os pintos de aves da ordem taxonómica dos Galliformes (galinhas, faisões, perdizes, codornizes, fracas, grouses, etc.) e a maioria das aves aquáticas (patos, gansos, etc.) são designados por nidífugos porque abandonam o ninho à nascença, ao contrário dos nidículas que permanecem nos ninhos e dependem completamente dos pais (como é o caso dos canários por exemplo).

As aves nidífugas abandonam o ninho cerca de 1 hora depois do nascimento do último pinto da ninhada, que é quando já conseguem acompanhar o andamento dos pais. À nascença já conseguem alimentar-se sozinhas e algumas espécies conseguem voar 2 a 3 dias depois de nascer (como é o caso das espécies de Faisões Tragopans).
Apenas uma coisa faz com que estas pequenas aves ainda sejam dependentes dos progenitores, a regulação da temperatura corporal. Assim, se lhe proporcionarmos uma fonte de calor podemos cria-los sem dificuldade.

Depois desta pequena introdução, explicamos o que tem que fazer para criar com sucesso pintos de dia em sua casa.


Antes de ter os animais

-Escolher um local  (celeiro, estábulo ou garagem por exemplo) onde as aves estejam protegidas de predadores, dos elementos (é importante que não existam correntes de ar) e onde não estejam expostas a químicos ou gases tóxicos.

-Preparar o criadouro: a sua dimensão depende da quantidade de aves que vai albergar, e pode ser desde uma caixa de papelão até um pavilhão inteiro (caso industrial). O criadouro deve ter disponível comida, água e uma fonte de calor (lâmpada incandescente, lâmpada cerâmica/infra-vermelhos, aquecedor eléctrico ou a gás, etc.). A fonte de calor deve ser colocada numa das pontas de forma a que a aves se coloquem à distância que se sentirem confortáveis, conforme precisem de mais ou menos calor (caso a fonte de calor seja colocada de forma a atingir toda a extensão do criadouro as aves podem morrem por exaustão uma vez que não se conseguem afastar do calor). Desde que as aves sejam saudáveis, elas irão procurar suprir as suas necessidades e não necessitam de cuidados alguns. É importante que o chão do criadouro esteja coberto por um material absorvente, e que seja mudado sempre que se acumule demasiada matéria fecal de forma a evitar mortes por salmonelas.
Na imagem ao lado pode-se ver um criadouro muito tosco, mas funcional e simples de fazer.

Importante:Especialmente nos primeiros dias o recipiente da água deve ser muito raso para evitar afogamentos. Quando as aves já se movimentarem melhor pode-se utilizar um recipiente mais fundo.


Quando os animais são recebidos (Alimentação)

-Quando receber os animais coloque-os um a um no criadouro, molhando o bico de todos no recipiente da água, assim eles saberão que é ali que se têm que dirigir para beber.

-Quanto à comida, eles irão explorar todo o espaço do criadouro e num curto espaço de tempo vão descobrir onde está. A ração de iniciação deve ser farinha e ter uma percentagem de proteína mais elevada do que a ração de adulto (no caso de pintos de galinha cerca de 17% proteína, no caso de perus, faisões, codornizes, perdizes deve ter entre 18 a 20% de proteína). Hoje em dia é fácil encontrar rações no mercado português para todas as fazes de crescimento.


Durante o crescimento

-Deve ser sempre mantida ao dispor das aves comida e água fresca.

-As aves crescem extremamente rápido, e é importante manter o fornecimento de calor até os animais estarem completamente emplumados, o que para codornizes e perdizes demora cerca de 3 semanas, e para galinhas, perus, etc. de 4 a 5 semanas, a partir desse momento os animais já podem ser colocados na rua (caso seja uma altura do ano em que está muito frio no exterior os animais devem ficar abrigados durante mais algum tempo) e o fornecimento de calor pode ser reduzido gradualmente até estes estarem perto da maturidade. No caso de aves aquáticas de maior porte (gansos, cisnes, etc.) que nascem com uma penugem mais espessa ou no caso de ratites (avestruzes, emas, etc.) devido ao seu tamanho, caso não seja uma altura do ano fria, podem ir para a rua logo desde o 3º dia de vida (quando já têm mais agilidade).

O facto destes animais serem muito independentes faz com que seja muito fácil tratar deles e um regalo vê-los crescer.


Todos os artigos estão em actualização constante, se tem alguma dúvida contacte-nos que esta será respondida o mais brevemente possível e a resposta será acrescentada ao artigo. Por favor não exponha as dúvidas na secção de comentários porque torna-se difícil obter o contacto para responder.



Artigos relacionados:
● Incubação de ovos
● Codorniz da Virginia
● Codorniz Japonesa (linhagem domesticada)
● Criação de Codornizes em Cativeiro (Codorniz Japonesa)
● Fraca (Galinha-d'angola)


4 comentários:

  1. Ana Silva22:56:00

    Gostei muito da vossa página. Super interessante e com bastante informação de fácil leitura. Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O prazer é todo nosso! O nosso objectivo é fazer com que exista uma melhor e maior quantidade de informação sobre está área escrita em português, e disponível para todos.
      Muito obrigado pelo comentário simpático e encorajador!

      Eliminar
    2. Anónimo14:54:00

      gostei
      muit o do esclarecimento parabens

      Eliminar
  2. fiquei esclarecido muito obrigado vou já tratar do espaço dos meus pintos

    ResponderEliminar